arquivo

Arquivo da tag: Owen Wright

Depois do termino do Billabong World Junior Championship todo site de surf de qualquer parte do mundo só fala de uma coisa, os brasileiros.

Na última semana, liderados por Jadson André que este ano faz parte do World Tour, os nossos jovens talentos roubaram a cena do Mundial Pro Junior e deixaram australianos, havaianos e americanos cheios de dor de cotovelo e encheram de aéreos e manobras ao estilo Modern Collective os olhos dos juízes e de quem mais estivesse lá para ver.

Os gringos estavam completos, a Austrália veio com Owen Wright, carrasco do Slater duas vezes ano passado e novo queridinho da mídia internacional; o Havaí com Clay Marzo, que manda muito mas em campeonatos ainda faz pouco; e o os Estados Unidos… Bom eles estavam presentes na competição; e viram nas quartas de final todas as suas esperanças irem por água abaixo com as vitórias de Alejo Muniz, Jadson e Gabriel Medina.

Alejo Muniz rasgando forte

A final, infelizmente não foi só verde e amarela e, mais infelizmente ainda, quem ganhou foi o francês Maxime Huscenot, mas mesmo assim Jadson André, que foi o vice, pode ficar feliz porque tem a chance de mostrar a que veio no World Tour deste ano que começa no final de fevereiro.

Jadson André decolando

Quem terminou em primeiro foi Maxime, em segundo o Jadson, mas quem deu o que falar de novo foi Gabriel Medina.O prodígio de Maresias teve a maior média do campeonato, 19.57 dos 20 pontos possíveis, tirou o único 10 da competição e arrancou elogios de figurões da mídia internacional, como Jed Smith da STAB e Nick Carrol da ASL. Temos que cuidar bem deste moleque que vai longe.

Medina fazendo o que faz de melhor

Chegou ao fim o World Tour deste ano. O último em que os 45 melhores surfistas  se enfrentaram em 10 etapas durante o ano inteiro, ano que vem as coisas vão mudar.

O australiano Mick Fanning tornou-se merecidamente bicampeão mundial. A disputa do título de 2009 foi certamente uma das mais emocionantes. Parko e Mick chegaram ao Havaí sendo os únicos que poderiam ser campeões, se Fanning chegasse até a final ele já era o campeão e Joel precisava praticamente que vencer o evento para levar. Os nervos estavam à flor da pele, nem parecia que os dois cresceram juntos surfando na Austrália e eram grandes amigos. Logo de cara, Parko perdeu para o havaiano Gavin Gillette na sua primeira bateria do Pipe Masters e deu de presente o título para Fanning. Depois disso, os dois protagonizaram uma das cenas mais belas do surfe mundial. Mesmo após ter perdido o campeonato, Joel Parkinson foi até a beira do mar e ergueu, junto com Dean Morrison, Mick Fanning nos ombros para levar o campeão até o pódio. Não é qualquer um conseguiria fazer o que ele fez depois de tanto stress.

Mick Fanning sendo carregada por Parko e Dingo

Este ano, finalmente Dane Reynolds mostrou porque é um dos surfistas mais comentados do cenário mundial. Em J-Bay ele acordou e em Trestles ele surfou mais do que ninguém com uma prancha 5’7’’ que ele disse que foi feita de sobras. Acabou perdendo a final para Fanning, mas indiscutivelmente ele foi o melhor surfista do evento e eu posso afirmar agora que o ano acabou que ele também foi o surfista que apresentou a melhor linha de surfe neste ano. Segundo Lewis Samuel, mesmo sem terem se enfrentado de fato, Reynolds venceu até Kelly Slater na Califórnia. Dane Reynolds foi o único que não pensava duas vezes em soltar qualquer tipo de aéreo durante uma bateria. Este é o futuro do surfe moderno, muitos aéreos, um surf veloz e pranchas pequenas. Ano que vem Dusty Payne e Owen Wright vem ai para se juntar com Dane e deixar o World Tour mais inovador, os velhos que se cuidem. Ah e quem tem que se cuidar também e Jordy Smith, que segundo muitos é o melhor surfistas do mundo e mestre em aéreos, mas até agora, com dois anos de WT nas costas, não fez nada.

Dane Reynolds voando em Lower Trestles

Kelly Slater terminou o ano em sexto lugar do ranking esbanjando forma. Kelly teve uma temporada irregular, mas digna de Kelly Slater. Fez bonito com sua pranchas de duas longarinas e 4 quilhas, ganhou em santa Catarina, chegou até as finais em Pipe Line com pintade que ia ganhar, tomou um pau do prodígio Owen Wright duas vezes e se quiser ano que vêm leva o décimo sem muito esforço. O Kelly é o Kelly

Kelly slater

O nosso Mineirinho representou esse ano. Venceu em Mundaka e assumiu a terceira colocação do ranking, acabou terminando o ano em quinto, mas se tivesse ido melhor no Havaí era com certeza o terceiro ou segundo. Segundo a Surfline o guarujaense é campeão mundial em três anos. Da-lhe Mineiro!

Daqui três anos é a vez de Adriano de Souza

Agora é só aguardar que o ano que vem promete muito.

fanning 2

Mick no alto do pódio

O australiano Mick Fanning acaba de vencer pela segunda vez o Rip Curl Pro Search que este ano aconteceu em Peniche, Portugal. A primeira vitória dele no evento de seu patrocinador foi em 2005 na primeira edição do The Search. Com a vitória de hoje, Mick se isolou na liderança do ranking e tem boas chances de ser coroado o campeão da temporada no Havaí. Agora o único que ainda tem chances de levar o circuito, além de Fanning, é o seu compatriota Joel Parkinson, que ainda esta em segundo no ranking.

Na grande final, Mick enfrentou o aussie Bede Durbidge que venceu Parko de virada no fim da primeira bateria da semifinal. O campeão da etapa iria enfrentar, na segunda semi do dia, Owen Wright, mas devido a vaca de ontem em que ele perfurou o tímpano e machucou seu pescoço, o garoto não teve condições de participar hoje do campeonato, dando passe livre para Fanning.

joel

Joel parou nas semis

Com as ondas quebrando em torno de 1 metrão, não foi tão fácil para Mick vencer Bede, os dois surfaram muito bem, mas com um surf muito veloz e cheio de cutbacks e rasgadas, Mick somou 12,67 contra 9,87 pontos de Durbidge.

fanning

Mick Fanning mereceu mais do que qualquer um ser o campeão do Rip Curl Pro Search português

O próximo encontro dos tops acontece no Havaí entre os dias 8 e 20 de dezembro na disputa do Billabong Pipe Masters. Para Mick Fanning ser bicampeão o que deve acontecer é o seguinte:

– Se Fanning terminar o Pipe Masters na nona colocação ou pior, Parko precisa de no mínimo um terceiro lugar para ser campeão.

– Se Fanning terminar em quinto, Parko precisa ser ou segundo ou o primeiro colocado em Pipeline para ser campeão.

– Se Fanning terminar terceiro, Parko precisa vencer o evento para ser campeão.

– Se Fanning chegar às finais em Pipeline, ele já é o campeão do World Tour 2009.

Joel Parkinson ainda tem boas chances de vencer o circuito em Pipe, mas vale a pena lembrar que lá além dos 45 surfistas rankeados, mais 16 havaianos entram em cena para dificultar a vida de todo mundo por lá. Como sempre, as coisas prometem esquentar lá no Noth Shore havaiano.

O top 10 do ranking após 9 etapas:

1 Mick Fanning (Aus) 7.140 pontos
2 Joel Parkinson (Aus) 6.772
3 Adriano de Souza (Bra) 6.148
4 Bede Durbidge (Aus) 6.146
5 C.J. Hobgood (EUA) 5.748
6 Taj Burrow (Aus) 5.524
7 Kelly Slater (EUA) 5.514
8 Bobby Martinez (EUA) 5.421
9 Damien Hobgood (EUA) 5.116
10 Jordy Smith (Afr) 4.828

parko

A parada não estava pra qualquer um em Super Tubos

Logo após a derrota do nosso grande Mineiro, as baterias das quartas de final da nona etapa do World Tour deste ano, o Rip Curl Pro The Search 2009, entraram na água.

Jordy Smith e Bebe Durbidge travaram o primeiro duelo desta fase. O sul africano dominou quase toda a bateria, tirou uma nota na casa dos 9 pontos fazendo com que Bede  precisasse de um “high score’’ para virar a disputa. Sem muita enrolação, Bede foi lá, pegou um belíssimo tubo e tirou o primeiro 10 do campeonato. Jordy não precisava de uma nota muito alta para virar, mas, como na bateria de Adriano, as ondas pararam de entrar e o australiano se garantiu  no primeira confronto da semi final.

Bede Durbidge

Bede Durbidge virou com um 10 para cima de Jordy Smith

Na disputa seguinte, Joel Parkinson não repetiu a apresentação mais ou menos que fez contra Kai Otton, e venceu tranquilamente Bobby Martinez. O aussie surfou como vinha surfando no primeiro semestre do ano e fez a maior somatória das quartas, 18.60 pontos, com direito a uma onda nota 10, a segunda do campeonato. Com a vitória, Joel Parkinson irá enfrentar Bede Durbigde na primeira bateria das semis.

Depois da bateria de Parko, o wild card Owen Wright e o atual 10° colocado do ranking Damien Hobgood caíram no mar. O confronto começou sem muitas emoções até Owen tirar o terceiro 10 do campeonato, que na minha opinião podia ter valido uns 12 ou 13 pontos, e fazer com que Damien ficasse em uma situação bem complicada. Faltando pouco menos de 15 minutos para o fim da bateria, o australiano levou uma vaca ao tentar pegar uma das direitas da serie e acabou perfurando o tímpano e contundindo o seu pescoço, tendo que sair do mar e ir para o hospital. Mesmo sozinho no outside, Damien não conseguiu superar a nota 10 de Wright e perdeu a disputa.

owen

A vaca de Owen

Fechando o dia, Mick Fanning passou mais uma vez tranquilamente pelo seu adversário, que no caso foi o norte americano Tim Reyes, e se garantiu para a semi. O australiano tirou um 9.50 que pra mim podia muito bem ter sido o quarto 10 do dia mas…Agora resta saber se Owen terá condições de participar da sua bateria contra Mick, se ele não conseguir, Fanning vai para a final e ficará a um passo do titulo mundial.

Amanha as 6 hrs da manha, no horário de Brasília, vai rolar a próxima chamada do evento.

Aguardem….

supertubos

Supertubos de gala

Apesar do tempo feio, hoje a praia de Super Tubos mostrou porque tem esse nome e quebrou bem para as baterias das oitavas de final do Rip Curl Pro acontecerem. Com as ondas em torno de 2 a 3 metros (6 a 8 pés), os 16 tops que surfaram hoje deram show para quem assistia o campeonato da praia e pelo computador.

Logo cedo vários surfistas já estavam na água pegando altos tubos, até que as 09h45min, no horário de Portugal, a primeira bateria do dia foi pro mar. Jordy Smith não deu chances para C.J Hobgood e mostrou que não é só no “Power Surf” que ele é bom. No round anterior, Jordy venceu seu confronto contra Roy Powers mostrando um surf moderno, cheio de aéreos, hoje ele entubou feito gente grande e desbancou um dos melhores tube riders do circuito. Depois do sul africano, Bede Durbidge e Bobby Martinez avançaram para as quartas de final.

Jordy Smith botando para dentro

Jordy Smith botando para dentro

Na quarta bateria do dia, quase que Joel Parkinson se complica na busca pelo seu primeiro titulo mundial contra Kai Otton. Parko venceu Kai por apenas 10 décimos, 11.94 contra 11.84, em uma bateria em que ele não convenceu. Quem convenceu, e muito, foi Owen Wright. No confronto mais esperado do dia, ele e Dane Reynolds mostraram o que esta por vir nos próximos anos de circuito mundial. Os dois apresentaram um surf moderno e muito veloz, mas Owen pegou as melhores ondas e superou Dane.

kai

Kai Otton quase tirou Joel Parkinson da disputa

Taj Burrow vinha bem na competição, mas como quase que já de costume parou nas oitavas diante de Damien Hobgood. O atual líder do campeonato fez a melhor apresentação do dia até agora somando 18.33 pontos contra Freddy Patacchia. Fanning vem mostrando que está muito a fim de levar o titulo de novo este ano e é um forte candidato a levar o caneco em Portugal.

Mineirinho, que se vencesse está etapa estaria próximo de conquistar o seu primeiro titulo mundial, não se achou na última disputa das oitavas. O brasileiro caiu no mar contra o americano Tim Reyes, que logo de cara arrancou uma nota na casa dos 8 pontos e complicou a situação de Mineiro. Faltando 3 minutos para terminar o confronto, Reyes quebrou sua prancha e teve que sair do mar para pegar a reserva, deixando Adriano sozinho mar até o fim da bateria. Infelizmente nenhuma onda entrou e ele não conseguiu a virada pra cima de Tim.

tim

Tim Reyes deu um pedaço de sua prancha para um fan

As baterias das quartas de final já estão rolando, confira ao vivo no site do Rip Curl Pro.

Quartas de Final:

1. Jordy Smith x Bede Durbigde

2. Joel Parkinson x Bobby Martinez

3. Owen Wright x Damien Hobgood

4. Mick Fanning x Tim Reyes

Confira os melhores momentos do segundo round do Rip Curl Pro que acontece em Portugal:

Heat 9 – Kelly Slater x Owen Wright:

Heat 11 – Taj Burrow x Michael Picon:

A chamada para as oitavas de final acontece amanha as 6 da manha no horario de Brasília. Se o mar estiver com condições, esta fase vai rolar em Supertubos.

Confira as baterias das oitavas:

1. CJ Hobgood x Jordy Smith

2. Tom Whitaker x Bede Durbidge

3. Bobby Martinez x Drew Courtney

4. Kai Otton x Joel Parkinson

5. Owen Wright x Dane Reynolds

6. Taj Burrow x Damien Hobgood

7. Mick Fanning x Frederick Patacchia

8. Adriano de Souza x Tim Reyes

D5C812A624E84DFC244CFA426C8A95F5

Mick Fanning assumiu a liderança do World Tour esta semana e deixou o campeonato totalmente aberto. Agora todos os surfistas que estão no Top 10 do ranking possuem chances matemáticas de ganhar, além disso, o campeonato pode ser decidido agora em Peniche ou lá no Havai.

Segundo Renato Hickel, atual Tour Manager da ASP, se Fanning vencer o Rip Curl Pro, Joel Parkinson tem que ficar em nono ou Adriano de Souza em terceiro para estragar a festa do aussie.

Se Mick chegar às finais, mas não vencer, Parko tem que ficar em 17°, Mineirinho em quinto, e Kelly Slater e Bede Durbidge tem que vencer a etapa para levar a decisão ao Havai.

Se o atual líder terminar em terceiro, Joel tem que terminar no mínimo em 33°, Mineiro tem que chegar na nona colocação, Kelly e Bede tem de chegar as finais, e C.J Hobgood e Taj Burrow precisam vencer o campeonato para não deixar Mick levar antecipado.

Tudo indica que o swell vai bombar em Portugal, fazendo com que todos tenham uma boa chance de atrapalhar Mick Fanning na sua conquista do bicampeonato mundial. Outra coisa que pode dificultar a vida dos tops no Rip Curl Pro são os Wildcards, Owen Wright e Bruno Santos já foram confirmados. Owen venceu Slater este ano, Bruninho levou Teahupoo ano passado e é craque na arte de entubar, se Fanning e sua turma bobearem, estes dois podem fazer estragos.

Eu, sinceramente, não tenho um palpite ainda formado. Com certeza, Mick sabe de suas chances e vai estar mais focado do que nunca para pelo menos chegar às finais, mesmo assim, Parko pode voltar a fazer bonito como vinha fazendo e Mineirinho também tem suas chances de levar esta etapa, mas na minha opinião, o maior inimigo do líder do ranking é Kelly Slater. O tiozinho é mestre em viradas espetaculares, se ele resolver, o titulo só vai ser decidido na última etapa.